Loading...

Translate

Loading...

Pages

7 de dez de 2017

PIRIGUETE, A GATA BORRALHEIRA DOS TEMPOS MODERNOS

Nascer pobre num país de consciência preconceituosa fabricada por um sistema de exclusão, refém de uma mídia golpista é nascer órfão e ter desdenhada sua existência antes de obter qualquer imagem.


Piriguetes, a beleza que a globo não deixa você ver com o coração  





Com um humor tendencioso apresentado em seus  programas de comédia, literalmente  sem nenhuma graça, tendo em vista ser um tipo de humor preconceituoso que tem um alvo em especial que são as mulheres negras e pobres de nosso país. 


Sempre apresentadas com esteriótipos sem dentes e na condição de pedintes, onde  tentam mostrar uma ideia descabida que tais jovens que nascem à base da pirâmide social tem como perfio está sempre recorrendo ha alguém para se dar bem vida.



É uma forma de estigmatizar excluindo garotas menos favorecidas que mesmo tendo seus direitos garantidos por lei, previsto em nossa constituição desde o nascituro, vivem ao DEUS dará... 


Excluídas sugestivamente e ainda tendo que passar a vida sendo humilhada por falta de uma politica publica de qualidade esperando ansiosas pela justiça que deveria alcança-las e que infelizmente nunca as veem.





O mais interessante são que as mulheres ricas, oriundas das beneficies do sistema quando  se comportam num contexto pré estabelecido como piriguetes essas são consideradas mulheres decididas, inteligentes, de opções sexuais das mais variadas possíveis, que vivem fazendo escolhas e que se vestem de maneira das mais inovadoras. #chupa essa manga...








ROTULAM PESSOAS PELAS CONDIÇÕES SOCIAIS...


Agora meninas da periferia são um modelo conceitual já estabelecido nacionalmente, e constantemente apresentados ao espectadores da TV dos pesadelos. 

Discriminadas em pleno horário nobre em nossa TV como cachorra, puta, serrona, vadia, periguete, prostitutas, oferecidas, assanhadas, vagabundas, cachorrinha pindaiba, zoneiras, vacas, putinhas e mais outras.



Isso não se avaliam nos tribunais das terras tupiniquins...


ACORDA BRASIL, isso não é nenhum sonho bom...



Brasil de todos manipulado pela TV Globo de alguns



Tenho dito,





Bloqueixas popular








0 comentários:

POEMAS DE BETO NAZÁRIO (VIVA, MIL VEZES VIVAM)

Um viva aqueles
que indigestos são seus nomes
a mesa de quem nos governam
um viva aqueles sem nome
um viva aqueles que mesmo farto
morrem de fome.

Fome de justiça,
fome de quem não come,
fome do homem
fome da mulher
Fome mesmo daqueles que não quer.

Dos que fingem estar morto,
torto...
mais torto de desgosto
um viva aqueles
um viva literalmente pra eles.

Mais quando expressar-se "VIVA...",
digamos um viva aos mortos
e aos vivos.
pois dos mortos,
tiramos o néctar da flor,
sim aquela flor do amor
QUE MESMO FRÁGIL,
suporta o mal,
e sacoleja o mundo.

E quando abalados pelos caprichos,
que ousam bater em nossas portas.
gritamos viva aos desalentos,
gritamos viva ao descontentamento,
que diante do vento,
visto que certamente
mudará o caprichoso tempo,
e ecoará mais uma vez o NOSSO VIVA.
VIVA...
MIL VEZES VIVAM...


Beto Nazário.

POR ONDE ANDA MEU PÁSSARO

Hoje enquanto dormia
sonhava
que de passos leves caminhava
quando de longe
um grande pássaro
me acompanhava.

E nas batidas de suas asas
simbolizavam
ilusões e angústias
maquiavelicamente incomodava.

Como sem nada
esse pássaro
derrepentemente
volta-se ao sol
e um açoite
ecoa no ar.

O encarnado passou a desbotar
os homens com telhados de vidros
com famintos interesses
negam-se a amar
negam-se a compartilhar.

E nas batidas das asas
do grande pássaro
me vi leve e confuso
através do seu voar
que mesmo junto
no arco-íris,
daltônico...
tive que me acostumar
é solitário o caminhar.

Vai amigo pássaro
e voa para bem longe
e quem sabe um dia
um dia quem sabe
poderemos nos encontrar.

E nas batidas de tuas asas
torna-ciei forte
o velho encarnado
como o azul do MAR.

"E TODOS OS ESTILINGUES VIRARAM SUTIS VIDRAÇAS."




Beto Nazário.

MULHER NORDESTINA HEROÍNA DESDE MENINA

Mulher

A Mulher Nordestina
heroína desde menina
apregada a mainha
como quem não quer nada
abnegada,
aprende a lidar
lidar com a vida,
com que a vida lhe dar.

No entardecer do dia
bem mais tarde do que podia
aniquilada, mais não menos forte
à sorte fica a indagar
se um dia antes de morrer
como uma criança
vai poder brincar.

Nasce já como adulta
criada na labuta
o labor..é seu maior amor

Desperta muito cedim
cantando como um passarim
olê mulher rendeira
olê mulher rendar,
será que um dia
antes de morrer
como uma criança
vou poder brincar?

A mulher Nordestina
é mesmo uma heroína
desde de menina.

Nasce como uma planta
morre como uma flor
sem pétalas, sem rimas
dar seus frutos ao mundo
mais não desatina.

A Mulher Nordestina
desde de menina
é incansávelmente
uma verdadeira heroína...

Beto Nazário